terça-feira, 23 de julho de 2019

Semana passada...

Semana passada lemos esse blog por horas a fio.
Intercalamos lágrimas e conversas sobre cada postagem que fiz aqui.
Sei lá se é porque você está crescendo, mas senti que fiz a coisa certa...
Vamos voltar aqui muitas outras vezes, tenho certeza. Sempre diferentes.
Embora sempre as mesmas.
Te amo mais que o infinito, filha.
É, você cresceu...

sem coragem de fechar a porta da infância...

A calça estampada, cintura baixa, um pouco mais curta do que deveria ser. A blusa justinha também um pouco mais curta do que deveria ser. Não havia nenhuma pretensão na escolha das roupas, ia comer bolo com a Avó. O casaco de gola peluda e a boina branca com uma imensa flor na lateral davam a ela um ar de ventania. Ontem mesmo era uma menina.
.
Agora, deslumbrante, sem saber que é. E isso a faz ainda mais bonita.
Sem os vincos do tempo, sem os cansaços ou quaisquer histórias desenhadas sem legitimidade.
Não sabe ainda o que são renúncias. Tudo nela é de verdade.
.
Conversamos sobre todas as coisas. Não que antes não o fizéssemos, mas agora é diferente.
Ela olha em meus olhos, segura na minha mão e começa a falar. Ouço atenta, interessada.
Tem impressões sólidas sobre assuntos diversos. Me escuta também, curiosa, interessada, acolhedora. E sem saber me ensina tanta coisa. Agradeço em silêncio, porque tenho mesmo muito a aprender.
Ela me educa para o amor.
.
Sigo desejando a você coragem para viver mesmo sem saber o que será o amanhã. E que, ainda assim, viva com gosto, intensamente, apreciando cada pequeno milagre que a vida oferece. Desejo que continue encantada, com ou sem asas, sendo você, sempre. Que queira morar em Washington, mesmo que seja em outro lugar. Que seja procuradora pública, mesmo que fora dos tribunais. Que tenha dúvida sobre a temperatura do corpo humano, mas que sempre experimente o toque, porque afeto e ternura são suas maiores qualidades. Que saiba que a Bisa gosta que desabotoem os seus sapatos, mas que é ela que os quer descalçar. Siga observadora e atenta, as delicadezas moram nos gestos mais minúsculos, você já sabe. Que tenha personalidade, forte, vertical, sabemos que mais vale um mergulho fundo, intenso e particular, parecido com a vida, do que movimentos apáticos e amedrontados. Que você se apaixone: por pessoas, por causas, bichos, obras de arte, cheiros, lugares, memórias... E que lembre para sempre que um dia falou “Gulira” quando viu um macaco grandão, e que esta foi a última palavra da infância que falou errada, a última a ser corrigida porque sua mãe não tinha coragem de fechar a porta da infância, e que isto a faça rir, leve e divertida, porque são essas as riquezas que quero te ensinar.
.
Desconfio que já seja uma mulher.
Mas, em meus braços, será sempre Bebela. Sempre minha menina.
.
Solange Maia

segunda-feira, 25 de março de 2019

poeminhas... os primeiros!

Foi assim, sem que eu pudesse me preparar.
Ela surgiu na sala e disse:
- Mamãe, vou ler o que escrevi.


PERFUME

Aquele perfume que ela usara todo dia para sair foi deixado de lado.
Hoje se tornou só mais um a ocupar sua penteadeira.
Seu brilho agora virou poeira,
e seu cheiro, que a relembrava dele, hoje tem cheiro de tristeza.
Isabela Maia


PORTA

Essa porta que hoje representa um novo caminho para sua vida, está fechada.
Abri-la não é o problema e sim o que ela traz:
mudanças que não são escolhidas e acontecimentos inevitáveis.
De um lado há só uma porta.
Do outro, um mistério.
Isabela Maia

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

oraçãozinha para Bebela...




Talvez nada tivesse acontecido se eu não tivesse visto aquelas fotografias.
Talvez eu continuasse amortecida pelo excesso de horas gastas. E pelo cansaço.
Talvez meu sorriso permanecesse escasso e minha alma fatigada.
Talvez eu continuasse encontrando desculpas. Ou inventando todas elas.
Mas eu vi.
E vi nossos sorrisos fartos, ouvi o eco das conversas que tivemos, senti na pele o calor daquelas terras.
Lembrei de todos os afetos que meu olhar constrói para que depois eu os habite.
Lembrei que em todo espaço pode haver lar. Ou poderia.
Sabemos que “casa” é o nosso continente mais íntimo. Onde acolhemos a vida.
É por isso que te ensinei a manter as fronteiras abertas: para hospedar o amor.
Fizemos abrigo por onde passamos.
Ainda fazemos.
É por isso que peço a Deus que guarde nossas alegrias na palma da mão.
E que interceda por nós.
Amém.

Solange Maia

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

coisas de Bebela...

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sorrindo, close-up e texto
- Mamãe, sabe quem é o meu "crush" de Hollywood?
- Como assim, filha?
- Com quem eu me casaria fácil?
- Ãhhhh?? Com quem?
- Com o Robert De Niro!
- Ah, tá.

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

delicadeza...


Lembro quando estávamos sentadas à mesa, prontas para almoçar, há alguns anos, e ela olhou demoradamente para o prato azul à sua frente.
- Mamãe, espera um pouco – disse saindo da mesa com o prato nas mãos - não começa a comer ainda!
E, claro, esperei.
Em três segundinhos ela estava de volta, afoita e feliz. Havia trocado o prato azul por um verde.
Curiosa com a cena, perguntei:
- Por que você trocou o prato azul pelo verde, meu amor?
E ela, segura como sempre, respondeu:
- Ué, porque assim o prato combina com a minha meia e com a minha calcinha.

Hoje, no Dia das Crianças, desejo que esta delicadeza more em você para sempre, minha Bebela, e que a vida seja este lugar cheio de alegrias esperando para serem descobertas. Te amo infinitamente, minha criança...

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

imenso silêncio...

A imagem pode conter: área interna
Quando a filha fala:
- Pode deixar que eu vou estudar, mamãe!
E o que segue é um imenso silêncio...

terça-feira, 27 de março de 2018

melhor coisa do mundo...


Eu trabalhando na mesa da sala e Bebela lendo um livro da escola no sofá.
De repente, ela interrompe o silêncio e fala:
- Mamãe, esse livro parece você. Posso ler?

Era incrível, mas nem a fome conseguia silenciar seu jeito de olhar as coisas. Via verde na terra seca, comida em prato vazio, flores em galhos secos”.

Meus olhos encheram d’água.
É, acho que ela conhece bem a mãe que tem!

( “As Cores da Escuridão” - de Ieda de Oliveira)

quinta-feira, 8 de março de 2018

para a mulher da minha vida...

  A imagem pode conter: 1 pessoa, selfie e close-up 
Num mundo de mulheres multitarefas, sobrecarregadas por tantas coisas que devemos saber e fazer, desejo que você entenda que ser mulher não é um posto. Se hoje virou quase uma obrigação termos infindos recursos internos, sermos sempre inovadoras, poderosas, competentes, desejo que descanse. Que, a despeito de tantos estímulos, saiba encontrar paz na simplicidade, nos gestos tímidos, na natureza, nas pessoas delicadas, no plano afetivo.

Desejo que saiba ser gente, filha, antes de ser mulher. Que invista na bondade, no acolhimento, na sensibilidade... É isso que deveríamos comemorar hoje, aliás, hoje e em qualquer outro dia, afinal, num mundo com tanta autossuficiência, onde vagamos entre o pertencimento e a independência, onde pessoas sentem-se atraídas por benefícios, desejo profundamente que para você, sonhos não sejam raros. 
Muito menos o amor.
Feliz hoje, meu amor.

Solange Maia
(08 de março - Dia Internacional da Mulher)

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

aprendendo as "profundezas"...




- Mamãe, percebi que a gente é super parecida numa coisa...
- É mesmo, amor? E no quê é que somos parecidas?
- É que para a gente 2 + 2 não precisa dar sempre 4... Existem muitas coisas que não são exatas, mamãe. Eu aprendi um pouco sobre Immanuel Kant, e ele falava que se a gente escolher viver sem filosofar, é como se a gente escolhesse viver de olhos fechados...
Resultado de imagem para immanuel kant frases